.

VOLTAR PARA A PÁGINA INICIAL - BACK TO INDEX

.

ACIDENTES AERONÁUTICOS

OCORRIDOS NO BRASIL EM 1964

.

MENU


ACIDENTES
AÉREOS NO
BRASIL

ACIDENTES
AÉREOS NO
MUNDO

ACIDENTES DE

HELICÓPTERO

NO BRASIL


O ACIDENTE

NO VOO 447

AIR FRANCE


A TRAGÉDIA

EM CONGONHAS

VOO 3054


O DESASTRE

NO VOO 1907

DA GOL


A TRAGÉDIA

COM O FOKKER 

 100 DA TAM


ACIDENTES

HISTÓRICOS

CAIXA-PRETA

VÍDEOS DE
ACIDENTES

AERONAVES

EMPRESAS AÉREAS

AEROPORTOS

INFORMAÇÕES

E SERVIÇOS


HISTÓRIA E

CURIOSIDADES


ARTIGOS

IMAGENS DE

ACIDENTES

NO BRASIL


IMAGENS DE

ACIDENTES

NO MUNDO


LINKS E
 PARCERIAS

Quer ser um

site parceiro?


FALE CONOSCO

FALE CONOSCO




ANUNCIE

NESTE SITE


..

26.11.1964

VASP - Viação Aérea São Paulo

Douglas C-48B (DC-3)

Prefixo: PP-SQP

 

O DC-3 PP-SQP da Vasp foi PP-SQP Vasp, destruído em incêndio no hangar da empresa, no Aeroproto de Congonhas (CGH), em São Paulo.

 


 

30.10.1964

Compañía Boliviana de Rutas Aéreas

Boeing B-17 Flying Fortress

Prefixo: CP-741

 

Acidente com avião militar em São Borja, RS. Sem mais informações.

 


 

04.09.1964

VASP - Viação Aérea São Paulo

Vickers 701C Viscount

Prefixo: PP-SRR

 

O Viscount, que realizava o voo 141, rota Recife (PE) – São Paulo (SP), partiu de sua escala no Aeroporto de Vitória (VIX/SBVT), às 18:45 horas em direção a sua segunda parada, no Rio de Janeiro, com cinco tripulantes e 34 passageiros.

 

Logo após a decolagem, o PP-SRR subiu para 1.800 metros. Às 19:33 hs., em rota sobre Rio Bonito, já no estado do Rio de Janeiro, a tripulação informou a torre do Rio que estava em condições meteorológicas de voo por instrumentos. Na verdade, o voo estava sobre Nova Friburgo, a 43 km de Rio Bonito.

 

A aeronave colidiu às 17:34 hs. com a encosta oeste do Pico da Caledônia (2.255 metros) a uma altitude de cerca de 1.950 metros, localizado no município de Nova Friburgo.

 

No momento do acidente, o Viscount PP-SRR estava 35 km fora da rota pretendida, devido – provavelmente – a um erro de navegação.

 

Todas as 39 pessoas a bordo morreram.

 

 

Clique AQUI para ler a história completa.

 


 

16.08.1964

VASP - Viação Aérea São Paulo

Curtiss C-46A-40-CU Commando

Prefixo: PP-NMF

 

O avião de carga Curtis C-46 prefixo PP-NMF da Vasp, partiu do Aeroporto de Carolina (CLN/SBCI), no Maranhão, com destino ao Aeroporto de Belém (BEL/SBBE), no Pará, levando a bordo quatro tripulantes.

 

Em rota, surgiram alguns problemas no motor (Pratt & Whitney R-2800-51). O avião perdeu altura, obrigando a tripulação a alijar a carga e realizar um pouso de emergência no Rio Capim, a 320 km (200 mls) ao sul de Belém.

 

O C-46 afundou em 15 minutos. Um membro da tripulação, por não ter usado o cinto de segurança, não sobreviveu ao impacto.

 


 

28.06.1964

Paraense Transportes Aéreos

Douglas DC-3 (C-47)

Prefixo: PP-BTU

 

 

O Douglas PP-BTU da Paraense se acidentou quando voava em direção a Porto Velho, em Rondônia, ao ser surpreendido por uma forte tempestade, tendo a tripulação realizado um pouso de emergência em meio a uma clareira já nas proximidades da cidade de Porto Velho.

 

A Revista “O Cruzeiro”, realizou uma grande matéria abordando o fato de todos os passageiros terem sido retirados do local do acidente, um de cada vez, a bordo de um monomotor Cessna.

 


 

06.06.1964

VASP - Viação Aérea São Paulo

Douglas DC-3 (C-47)

Prefixo: PP-SPK

 

 

Em voo de treinamento no Aeroporto de Brasília (DF), foi simulado um pouso de emergência com o motor nº 2 (Pratt & Whitney R-1830-90C) com potência reduzida.

 

O DC-3 pousou muito próximo do início da pista, e logo em seguida tentou arremeter, mas o motor nº 1 não respondeu adequadamente e o avião acabou se acidentando ao, na sequência, só conseguir pousar fora da pista.

 

Causa provável:

 

O piloto - que estava em treinamento - não foi corretamente treinado pelo instrutor e o uso incorreto dos controles das hélices pelo piloto aprendiz.

 


 

27.05.1964

VASP - Viação Aérea São Paulo

Douglas C-47-DL (DC-3)

Prefixo: PP-SPZ

 

 

Durante voo de treinamento houve uma separação de uma das asas e o DC-3 acidentou-se ao cair sobre a Rodovia Régis Bittencourt, no município de Itapecerica da Serra, em São Paulo.

 

Os três ocupantes da aeronave morreram. Eram eles, o comandante Mário de Oliveira Murback e os copilotos Francisco Ledesma Maltempi e Paulo Luz de Camargo.

 

Essa mesma aeronave esteve envolvida num incidente, sem vítimas, em voo da Ponte Aérea com pane no motor esquerdo e aterrissagem de emergência na Base Aérea de Santos, em 17 de agosto de 1950.

 


 

11.04.1964

Panair do Brasil

Canadian Vickers PBV-1A Canso A (PBY-5A)

Prefixo: PP-PCZ

 

O hidroavião PP-PCZ perdeu o controle enquanto realizava o pouso na localidade de Portel, no Pará, sob ventos fortes. Em minutos, a cabine ficou inundada e avião encalhado. Há registro de que foi resgatado, porém há dúvida se chegou a ser reparado.

 

A história desse aparelho começa com sua construção em meados de 1943, pela Boeing Canadá, em Vancouver, sob supervisão da Canadian Vickers Co..

 

O Canadian Vickers PBV-1A Canso A (PBY-5A) foi equipado com dois motores Pratt & Whitney Hornet Engines.

 

Os registros da futura aeronave PP-PCZ, iniciam-se em 25 de outubro de 1943, dando o aparelho como pertencente ao Eastern Air Command, matricula 5 (BR).

 

Permaneceu em missões de patrulhamento pela costa amaricana até ser vendido pela Charles Babb Co. de Nova York, em novembro de 1947.

 

Adquirido pela Panair do Brasil em 05 de dezembro de 1947, matriculado PP-PCZ, foi registrado em 04 de janeiro de 1948, batizado “Bandeirante Jácome Raymundo de Noronha”.

 

Em 29 de Janeiro de 1948, em Belém, foi submetido à inspeção completa.

 

Acidentado em Tapuruquara, Amazonas, em 27 de março de 1960, foi reparado.

  


 

04.04.1964

Douglas DC-4

Paraense Transportes Aéreos

Prefixo: PP-BTQ

 

Logo após a decolagem do Aeroporto de Belém (BEL/SBBE), no Pará, o DC-4 sofreu a perda do controle direcional e colidiu contra árvores além da pista.

  


 

21.03.1964

VASP - Viação Aérea São Paulo

Curtiss C-46D-15-CU Commando

Prefixo: PP-LDL

 

Ao decolar da pista 02 do Aeroporto Santos Dumont, no Rio de Janeiro, para um voo teste, um incêndio começou no motor nº 2 do Curtis C-46D da Vasp.

 

Alertado pela torre de controle, o Comandante João Luís Novo de Niemeyer prosseguiu direto para pouso na pista 32 do Aeroporto do Galeão, que seria alcançada em três minutos de voo.

 

O fogo incontrolável que tomou conta na gôndola, destruindo a longarina principal da asa esquerda.

 

O avião virou de dorso e colidiu com as águas da Baia da Guanabara, matando Niemeyer, o copiloto Henio Celestino Daemon e o radiotelegrafista Wilson de Oliveira, seus únicos ocupantes.

 


 

08.03.1964

VASP - Viação Aérea São Paulo

SAAB Scandia 90A-1

Prefixo: PP-SQY

 

A aeronave SAAB Scandia, prefixo PP-SQY, decolou do Aeroporto de Londrina (LDB/SBLO) para um voo de treinamento com quatro tripulantes a bordo.

 

Ao realizar um pouso muito duro, o avião sofreu danos estruturais graves que causaram a perda total da aeronave, mas sem deixar vítimas.

 


 

15.02.1964

Paraense Transportes Aéreos

Douglas DC-3

Prefixo: PP-***

 

Um avião DC-3 da Paraense Transportes Aéreo foi obrigado a fazer um pouso de emergência em plena selva amazônica. Seus 25 passageiros e quatro tripulantes ficaram por vários dias na selva até serem localizados quatro dias depois por aeronaves da FAB que lançaram mantimentos e medicamentos.

 

As primeiras informações, transmitidas pelo rádio de bordo deram conta que a descida foi feita com sucesso e que não existia feridos entre os tripulantes e passageiros.

 

O avião pousou as margens do Rio Marmelo (afluente do Rio Madeira), em Rondônia.

  


 

06.02.1964

Perdigão S/A Comércio e Indústria

Douglas DC-3A-228C

Prefixo: PT-ATP

 

O DC-3 prefixo PT-ATP acidentou-se em Caçador, SC.

Sem outras informações.

 


 

03.02.1964

FAB – Força Aérea Brasileira

Douglas C-47 Skytrain

Prefixo: FAB****

 

 

Dois mortos foi o saldo do desastre de avião ocorrido quando um C-47 da FAB caiu em plena Rua Dr. Paulo Frumêncio, na Ponta da Areia, em Niterói, no Rio de Janeiro, após chocar-se contra o Morro da Penha, em virtude de forte cerração reinante no local. Um dos mortos foi o Tenente Francisco dos Santos e, o outro, não havia sido identificado.

 

Por questão de 50 metros, o avião não provocou uma verdadeira catástrofe, pois, próximo ao local da queda, existia a empresa Brazilian Coal Company e, ali estavam situados enormes tanques de gasolina que explodiriam ao menor contato com o aparelho.  

 


 

 

Você tem mais informações sobre estes ou outros acidentes?

Escreva para nós: contato@desastresaereos.net

 


.

Fontes: Folha da Manhã, Folha da Noite, Jornal do Brasil, Correio da Manhã,

 livro "Rastro da Bruxa", ASN, BAAA-ACRO, Wikipédia e FAB.

Edição de texto e imagem: Jorge Tadeu da Silva


Voltar a página anterior

Ir para a página seguinte

. . . .
Este site está em The Best Aviation Sites
. . . .

Desde 2006 ® Direitos Reservados - Jorge Tadeu da Silva