.

VOLTAR PARA A PÁGINA INICIAL - BACK TO INDEX

.

ACIDENTES AERONÁUTICOS

OCORRIDOS NO BRASIL EM 1962

.

MENU


ACIDENTES
AÉREOS NO
BRASIL

ACIDENTES
AÉREOS NO
MUNDO

ACIDENTES DE

HELICÓPTERO

NO BRASIL


O ACIDENTE

NO VOO 447

AIR FRANCE


A TRAGÉDIA

EM CONGONHAS

VOO 3054


O DESASTRE

NO VOO 1907

DA GOL


A TRAGÉDIA

COM O FOKKER 

 100 DA TAM


ACIDENTES

HISTÓRICOS

CAIXA-PRETA

VÍDEOS DE
ACIDENTES

AERONAVES

EMPRESAS AÉREAS

AEROPORTOS

INFORMAÇÕES

E SERVIÇOS


HISTÓRIA E

CURIOSIDADES


ARTIGOS

IMAGENS DE

ACIDENTES

NO BRASIL


IMAGENS DE

ACIDENTES

NO MUNDO


LINKS E
 PARCERIAS

Quer ser um

site parceiro?


FALE CONOSCO

FALE CONOSCO




ANUNCIE

NESTE SITE


.

22.12.1962

VARIG

Convair CV-240-2

Prefixo: PP-VCQ

 

O Convair da Varig, que havia iniciado o voo no Rio de Janeiro, partiu de sua escala no Aeroporto da Pampulha (PLU/SBBH), em Belo Horizonte (MG), com destino ao Aeroporto de Brasília (BSB/SBBR), no Distrito Federal, levando 35 passageiros e cinco tripulantes a bordo.

 

Na aproximação para a aterrissagem, o piloto veio com a aeronave abaixo da altitude descrita, levando o PP-VCQ a atingir algumas árvores e, em seguida, ao tocar a pista, derrapar e sair pelo lado da mesma. Um tripulante morreu no acidente.

 


 

16.12.1962

Particular

Cessna

Prefixo: PP-***

 

Um Cessna que saiu de Santarém, no Pará, com escala em Parintins, no Amazonas, levando quatro pessoas e quinze milhões de cruzeiros, caiu no Rio Amazonas. Sem informações sobre as vítimas.

 


 

16.12.1962

Particular

Aeronave (?)

Prefixo: PP-***

 

A aeronave que saiu de Campos, no Rio de Janeiro, com destino a Ubá, em Minas Gerais, desapareceu no trajeto. Sem mais informações.

 


 

14.12.1962

Panair do Brasil

Lockheed L-049 Constellation

Prefixo: PP-PDE

 

O Constellation da Panair, batizado "Estevão Ribeiro Baião Parente", partiu do Aeroporto Val-de-Cans (BEL/SBBE), em Belém, no Pará, para um voo de três horas até o Aeroporto Ponta Pelada (PLL/SBMN), em Manaus, no Amazonas.

 

Por volta de uma da madrugada, a tripulação do PP-PDE entrou em contato com a torre do Aeroporto de Manaus relatando que pousaria dentro de seis minutos.

 

Quinze minutos mais tarde, o experiente piloto Dalvo da Costa, com 20 anos de serviços prestados a Panair, entrou em contato com a torre mais uma vez, agora perguntando para o controlador de voo em serviço se ele conseguia ouvir o ruído dos motores do avião. O controlador, mesmo estranhando a solicitação do comandante, ele aproximou-se da janela na tentativa de ouvir algo. Apenas o silêncio da madrugada se fez presente.

 

Paulo Marinho de Oliveira, o controlador em serviços, tentou retornar o contato com a aeronave, mas não conseguiu. Insistiu, sem sucesso.

 

Mais tarde, o Esquadrão Aeroterrestre de Salvamento (PARA-SAR) da FAB, encontrou uma clareira aberta nas proximidades de Rio Preto da Eva, a cerca de 30 km de Manaus, repleta de destroços do avião e restos humanos.

 

Todos os sete tripulantes e os 50 passageiros morreram na queda do PP-PDE.

 

Clique AQUI para ler a história completa.

 


 

14.12.1962

Particular

Cessna 310

Prefixo: PT-BIZ

 

O avião prefixo PT-BIZ havia decolado da usina Nossa Senhora Aparecida e se dirigia a São Paulo, quando, a dois mil metros de altura, sofreu uma pane, precipitando-se ao solo nas imediações da cidade de Itapira, interior de São Paulo, por volta das 9:30 horas.

 

Os três ocupantes do Cessna faleceram. Dois deles, o comendador Virgolino de Oliveira, 60 anos, usineiro e proprietário do avião, e o piloto Alcebíades Botine, 47 anos, morreram no local. O prefeito de Itapira, Sr. Antônio Caio, 46 anos, sobreviveu ao acidente, mas sucumbiu logo após ser internado na Santa Casa local.

 

Imagem: Folha de S.Paulo, 15.12.1962

 


 

26.11.1962

 

Colisão aérea

 

VASP - Viação Aérea São Paulo

SAAB Scandia 90A-1

Prefixo: PP-SRA

 

Particular

Cessna 310

Prefixo: PT-BRQ

 

A aeronave Scandia, da Vasp, prefixo PP-SRA, decolou do aeroporto de Congonhas pela manhã, com destino ao RJ, e 26 minutos depois chocou-se com a Cessna de prefixo PT-BRQ, que voava do Estado fluminense para o Paraná.

 

Os dois aviões bimotores colidiram, em pleno voo, sobre a cidade de Paraibuna (SP). O acidente matou 26 pessoas. Não houve sobreviventes.

 

Clique AQUI para ler a história completa.

 


 

29.10.1962

FAB – Força Aérea Brasileira

Morane Saulnier C-41 (MS.760 Paris)

Prefixo: FAB2926

 

 

O Morane Saulnier C-41 se acidentou durante o pouso de emergência sob mau tempo no Aeroporto de Nova Lima, em Minas Gerais.

 

Os dois tripulantes, o Major Omar Lamarão e o Tenente Virgillo Pinto de Almeida e o passageiro, o Coronel do Exército e Deputado Federal Menezes Cortes morreram no acidente.

 


 

06.10.1962

FAB – Força Aérea Brasileira

Lockheed VC-60A Lodestar

Prefixo: FAB2003

 

 

O avião Lodestar da FAB começou a incendiar-se logo após a decolagem do Aeroporto do Campo de Marte, na zona norte de São Paulo. Assim que percebeu as chamas, o piloto conseguiu pousar a aeronave.

 

O avião militar iria cumprir um voo de treinamento em direção a Belém, no Pará. Os ocupantes, o piloto Capitão Cairus, o Tenente Gonzáles, um mecânico de voo e um casal de crianças.

 

Todos sobreviveram ao acidente ao saírem rapidamente da aeronave que ardeu em chamas por mais de duas horas, ficando completamente destruída.

 


 

27.09.1962

Particular

Orlican L-40 Meta Sokol

Prefixo: PT-BFR

 

Acidente com o avião da década de 1950, de fabricação tcheca, para quatro pessoas, utilizado para turismo e prática esportiva. Sem informações sobre local do acidente, número de ocupantes e vítimas.

  


 

27.09.1962

VARIG

Boeing 707

Prefixo: PP-VJB

 

O Boeing 707 da Varig decolou do Aeroporto do Galeão, no Rio de Janeiro, com destino a Nova York, nos Estados Unidos, com 82 passageiros a bordo.

 

Após a decolagem, ocorreu um engastamento das lonas do pneu esquerdo anterior da bequilha nos cabos de comando hidráulico do mecanismo do trem de pouso dianteiro.

 

Um dos cabos do comando rompeu-se, impedindo que o trem de aterrissagem fosse recolhido. O comandante da aeronave, ao sentir o impacto da lona contra os cabos, verificado pela primeira vez quanto tentou recolher o trem de pouso, tentou, por várias vezes, sem êxito, abaixar e suspender a bequilha. Julgou o comandante Eggers, inclusive, que um dos pneus houvesse furado.

 

Ao comunicar a anormalidade à torre de controle, recebeu instruções para permanecer na rota Cabo Frio – Campos, a grande altitude.

 

Por quatro vezes, antes de realizar o pouso, o comandante fez voos rasantes sobre a pista do Galeão, para que a torre e os engenheiros da Varig, munidos de binóculos, pudessem examinar o defeito.

 

O sobrevoo foi ordenado para evitar que as consequências fossem maiores no caso de que se tornasse necessário um pouso de barriga. Assim, pode ser esgotado todo o estoque de combustível do Boeing.

 

Um pouso de emergência foi realizado e todos os passageiros saíram da aeronave ilesos. Dois deles desistiram de prosseguir viagem em outra aeronave.

 

O PP-VJB foi levado ao hangar para ser reparado.

 

 

Fonte: Folha de S.Paulo, 28.09.1962

 

 

Fonte: Jornal do Brasil, 28.09.1962

 

Essa mesma aeronave, de prefixo PP-VJB, viria a se acidentar gravemente em 27 de novembro de 1962, ao realizar o voo 810 entre o Rio de Janeiro e Los Angeles (EUA), pouco antes de efetuar uma escala na cidade de Lima, no Peru, matando seus 97 ocupantes. Leia mais sobre esse acidente clicando AQUI.

 


 

21.08.1962

Particular

Bonanza V 35 B

Prefixo: ***

 

Quatro pessoas morreram carbonizadas em acidente aéreo ocorrido em Itapetininga, no interior de São Paulo. O avião Bonanza caiu nas proximidades de Angatuba, na Fazenda Tulus. O avião, que procedia de Londrina, no Paraná, precipitou-se ao solo por ter perdido uma das asas em pleno voo.

 


 

20.08.1962

Panair do Brasil

Douglas DC-8-33

PP-PDT

 

 

O voo 026 realizava uma rota que ligava a América do Sul a Europa, sendo operado pela empresa Panair do Brasil. A linha aérea tinha seus terminais em Buenos Aires e Londres, sendo realizadas escalas no Rio de Janeiro, Dakar, Lisboa e Paris.

 

No dia 20 de agosto de 1962, durante a escala no Rio de Janeiro, a tripulação do Douglas DC-8, prefixo PP-PDT, não conseguiu decolar da pista 14/32 do Aeroporto do Galeão, o que por fim ocasionou um tragédia.

 

 

Apesar de a decolagem ter sido abortada, o DC-8 continuou rolando pela pista até atingir o seu final. Após colidir e derrubar o muro do aeroporto, o DC-8 atravessou uma avenida e mergulhou nas águas da Baía de Guanabara. Dos 105 ocupantes da aeronave, 14 morreriam (incluindo um bebê de poucos meses de idade).

 

Leia matéria especial sobre esse acidente, neste site, clicando AQUI.

 


 

12.07.1962

FAB – Força Aérea Brasileira

B-17 Flying Fortress

Prefixo: FAB****

 

 

Ao levantar voo pela manhã no Aeroporto de Guararapes, em Recife (PE), um B-17 “Fortaleza Voadora“ da Força Aérea Brasileira sofreu um pane em um dos motores e caiu sobre um edifício próximo a cabeceira da pista. Os danos materiais foram grandes. Os ocupantes do aparelho, todos militares, nada sofreram.

 

A Força Aérea Brasileira operou 13 aeronaves desse modelo entre 1951 e 1968. Na FAB, o B-17 jamais operou como bombardeiro, mas em missões de reconhecimento, busca e salvamento e transporte.

 


 

27.06.1962

Paraense Transportes Aéreos

Curtiss C-46A-45-CU Commando

Prefixo: PP-BTE

 

Durante a aterrissagem na pista 24 do Aeroporto de Pedro Afonso, na época em Goiás, hoje pertencente ao estado do Tocantins, o Curtiss prefixo PP-BTE começou a virar à esquerda.

 

O piloto decidiu decolar novamente e ordenou ao copiloto que recolhesse o trem de pouso. Porém, o trem foi recolhido prematuramente, fazendo com que o avião afundasse de volta na pista. Nenhuma vítima foi relatada.

  


 

25.05.1962

FAB – Força Aérea Brasileira

Morane Saulnier C-41 (MS.760 Paris)

Prefixo: FAB 2930

 

 

Acidente com avião da FAB em Natal, RN.

 


 

09.05.1962

Cruzeiro do Sul

Convair CV-240-0

Prefixo: PP-CEZ

 

 

Vinte e três pessoas morreram a bordo do Convair da Cruzeiro do Sul prefixo PP-CEZ, que explodiu ao aterrissar, às 19h20min, no Aeroporto de Vitória, no Espírito Santo. O avião havia partido do Rio de Janeiro às 18h18min.

 

Na aproximação para a aterrissagem, o avião atingiu uma árvore de eucalipto a uma altura de 40 metros, 1.860 metros antes da cabeceira da pista 23. Nesse momento da abordagem, a aeronave deveria estar a pelo menos 150 metros de altura. Em chamas, a aeronave explodiu quando tocou o solo.

 

Originalmente, esse voo deveria ter sido realizado pelo Convair prefixo PP-CEY, mas este foi substituído pelo PP-CEZ por questões técnicas não esclarecidas à época.

 

Os cinco tripulantes, o Comandante Ciro de Araújo França, o copiloto Hugo Continentino Heigel, o rádio-operador José François, o comissário de bordo José Vieira Filho e a aeromoça Ilma Vânia Leite, e 17 passageiros morreram na queda.

 

Três sobreviveram, sendo que um nada sofreu, um segundo teve ferimentos leves e o terceiro, Mario Corandini, que havia se ferido com mais gravidade, morreu no dia seguinte na Santa Casa de Vitória.

 

 

 

Fonte: Jornal do Brasil, 09.09.1962

 


 

07.05.1962

FAB – Força Aérea Brasileira

North-American T-6

Prefixo: FAB 1563

 

 

Por volta das 11 horas, o avião de treinamento da Escola de Aeronáutica dos Afonsos, pilotado pelo 1º Tenente Flávio Largura e conduzindo ainda o aluno do 3º ano Clovis Fonseca Menezes, sobrevoava a baixa Jacarepaguá, no Rio de Janeiro. Em dado momento, seu motor acusou defeito, fazendo com que seus ocupantes saltassem de paraquedas de uma altura calculada em 200 metros.

 

Para o Tenente Largura, a descida foi normal. O mesmo não acontece com o Cadete Fonseca, cujo paraquedas não abriu. O jovem morreu ao cair no jardim da casa nº 322 da Estrada do Guerenguê. Antes seu corpo bateu contra uma árvore, cuja copa ficou totalmente destruída. O oficial pisou em terra firme, instantes depois, nas proximidades onde caíra o aluno.

 

Enquanto isso, o aparelho completamente desgovernado foi cair em local distante cerca de três quilômetros. Depois de passar de maneira rasante sobre várias residências, foi se chocar com o casebre existente na Rua André Rocha, 1731, destruindo-o. Os moradores, lavradores, haviam saído pouco antes.

 


 

03.03.1962

Panair do Brasil

Lockheed L-049 Constellation

Prefixo: PP-PCR

 

O Constellation da Panair, prefixo PP-PCR, batizado “Bandeirante Domingos Barbosa Calheiros”, na aproximação final para o pouso no Aeroporto do Galeão, no Rio de Janeiro, a bequilha não desceu.

 

O Constellation prosseguiu assim mesmo para o pouso e, após o toque inicial, a aeronave se arrastou pelo solo. A gravidade dos danos provocados ao avião, inviabilizou economicamente seu reparo. O PP-PCR foi retirado de uso e armazenado até ser desmontado em 1969.

 


 

03.03.1962

VARIG

Douglas DC-3 (C-47)

Prefixo: PP-YQN

 

 

Acidente com avião DC-3 da Varig em Nanuque, MG. Sem mais informações.

 


 

13.02.1962

FAB – Força Aérea Brasileira

Gloster F-8 Meteor

Prefixo: FAB 4422

 

 

Acidente com caça a jato F-8 da FAB pilotado pelo 1º Tenente José Carlos Pimentel de Melo, da Base Aérea de Santa Cruz (RJ). Houve perda total da aeronave e a morte do piloto.

 

Data incerta.

 


 

Você tem mais informações sobre estes ou outros acidentes?

Escreva para nós: contato@desastresaereos.net

 


.

Fontes: Folha da Manhã, Folha da Noite, Jornal do Brasil,

Correio da Manhã, ASN, BAAA-ACRO e FAB.

 

Edição de texto e imagem: Jorge Tadeu da Silva


Voltar a página anterior

Ir para a página seguinte

. . . .
Este site está em The Best Aviation Sites
. . . .

Desde 2006 ® Direitos Reservados - Jorge Tadeu da Silva